Preparação para Concursos: 9 princípios para alavancar seus estudos


Preparação para Concursos: 9 princípios para alavancar seus estudos

Os 9 princípios aqui expostos serão ótimas ferramentas da análise no decorrer do seu processo de preparação para concursos. A partir deles você poderá ter um panorama geral de como está se saindo e poder tomar as devidas providências caso não esteja dando o seu melhor.
                                                                             
1- Questione seu conhecimento
Será que você entendeu ou ignorou?
Desde o primeiro contato com um conhecimento é necessário questionar o nosso grau de entendimento sobre ele.
Muitas vezes o aluno apenas aceita uma nova informação e passa por ela sem refletir, dessa forma não é possível saber se ele realmente aprendeu. Para ter essa noção, é necessário demonstrar capacidade de explicar o conteúdo da maneira mais simples que você conseguir, sem deixar os principais pontos de fora.
Isso formará a base para os conhecimentos mais complexos que surgirão no meio do caminho.

2- Transfira o aprendizado
O que você acha que aprendeu funciona no mundo real?
Há casos de alunos que estudam, entendem o conteúdo, mas quando partem para resolução de questões encontram muita dificuldade e não conseguem acertar o que é exigido.
Isso significa que a transferência não está acontecendo. A única maneira de ajustar isso é por meio de prática. Conforme os erros forem acontecendo, sendo identificados e corrigidos, a transferência vai consolidando-se.
Essa fase é parte do processo de preparação para concursos e quanto mais prática, mais rápido será superada, então resolva muitas questões e simulados.
Saber o conteúdo não é o que fará você ser aprovado, saber resolver a prova SIM! E pode parecer estranho para alguém novo nesse mundo de preparação para concursos, mas uma coisa não está diretamente relacionada com a outra.

3- Conecte as ideias
Ancore os novos conhecimentos que você está adquirindo naqueles que já possui. Isso é importante para consolidar as novas informações e facilitar o processo de memorização do conteúdo.
Como fazer isso?
Fácil! Durante o estudo, vá fazendo associações com o que já está na sua memória. Por exemplo, quando está estudando Direito Constitucional, tente fazer um paralelo entre o conteúdo e situações da vida cotidiana, alguma notícia ou vivência pessoal.
Aplique o Direito Constitucional à uma situação real e tudo ficará mais claro em sua mente.
Esse processo vai ficar cada vez mais fácil, pois quanto mais conteúdo você tem memorizado, mais conexões mentais fará. Isso se chama agregação cíclica.

4- Simplifique
Uma curiosidade sobre o conhecimento: se você não sabe explicar de maneira simples algo que está na sua mente, provavelmente não sabe efetivamente o assunto.
Para tirar a prova, finja que está explicando o conteúdo para alguém, como em uma aula. Imagine-se como o professor e transmita o máximo de informações sobre o tema, da maneira mais simples que for possível.
Um recurso interessante para essa técnica de estudo é gravar áudios para si, assim será possível verificar com as anotações e resumos quanto daquilo é verdadeiro e o quanto falta para ser aprendido/memorizado. Inclua isso na sua rotina de preparação para concursos.
Lembre-se: exemplo não é explicação! A explicação é uma exposição clara sobre a natureza do assunto de forma que qualquer um, em qualquer situação consiga compreender.

5- Descubra o padrão
Praticamente todo o assunto que você estuda possui padrões, seu objetivo é identifica-los e expô-los.
Para isso é preciso possuir vários dados, afinal, se você não teve acesso a uma ampla gama deles, poderá fazer uma análise equivocada.
Por exemplo, os números de telefone celular no Brasil já tiveram oito dígitos, hoje todos possuem nove. Porém, alguns telefones fixos ainda são compostos por oito números. Um estrangeiro que não conhece muitos telefones e tem contato apenas com os fixos com oito dígitos pode acreditar que o padrão do nosso país é esse. Seria uma conclusão coerente, mas incompleta.
Procure pelos padrões nas provas e conteúdos, mas não esqueça de que é necessário muitos dados antes de tomar como verdadeiro algo que identificou.

6- Comece com os princípios
Os princípios são um nível de pensamento mais alto. Isso significa que você vai precisar de mais do que dados e paciência, vai precisar de reflexão.
É muito comum que os alunos busquem por dicas, mas não se esforcem para aprofundar seu conhecimento.
Por isso, tenha interesse pelo conteúdo, permita-se ir além e busque solucionar os problemas por conta própria, isso ajudará a consolidar o conhecimento necessário na sua memória.
Respostas prontas são esquecidas facilmente, aquelas que são encontradas por meio de esforço e dedicação são incorporadas na memória por longos períodos.

7- Dê tempo ao aprendizado
Durante o processo de preparação para concursos, há muitas habilidades que precisam ser desenvolvidas e nem sempre elas tem relação com os estudos. O comportamento e a mentalidade precisarão ser ajustados.
Essas mudanças mais o conhecimento que precisa ser adquirido levam tempo e demandam muito esforço. A constância e a paciência precisarão andar de mãos dadas com você até que os objetivos sejam alcançados.
Use o tempo que tiver disponível de maneira inteligente. Quanto mais tempo melhor. Mais você conseguirá dedicar-se, mas, muitas vezes, mais tempo disponível leva à procrastinação e a autossabotagem.

8- Reduza o tempo (diário) de estudos
O suficiente para avançar, não demais para saturar.
Estudar mais de 8 horas por dia é para dois perfis de pessoas: desocupadas e para quem gosta de retrabalho. Não há comprovação de que o cérebro humano seja capaz de reter a quantidade de fatos que esse período exigiria.
Então seria um esforço grande para um resultado muito baixo.
Além disso, saturar o cérebro com um excesso de informações pode causar o efeito oposto ao esperado. As primeiras informações, que poderiam ter sido retidas, acabam sendo abandonadas pela mente que se esforça para assimilar o máximo possível. Porém, sem vitória.

9- Durma
Quem não dorme, não aprende!
Sono é uma das necessidades básicas do corpo e está diretamente relacionada com a capacidade de reter conteúdo.
É durante o sono que todas as sinapses mentais acontecem, conteúdos importantes são consolidados e o que é considerado descartável é esquecido.
Adultos precisam, em média, de 7 a 9 horas de sono. Isso não é um exagero. Seu corpo só tem esse período para descansar e se autorregular.
Suas horas de sono não são iguais às horas de cama, então é necessário se autoavaliar e entender quantas horas são necessárias para seu descanso ser eficiente e quanto tempo de cama é necessário para que seu corpo esteja completamente renovado para as funções do dia seguinte.
Para saber se suas noites de sono estão sendo suficientes, identifique se não está sentindo sono no meio da manhã.
Dê ao seu sono o mesmo valor que dá aos seus estudos. Isso será um grande diferencial.


Deixe seu Comentário